Pesquisar este blog

22 de junho de 09, 16ª e última aula.

Continuamos a questionar as apresentações da aula passada que ficaram pendentes.
Falamos da Luana que em cena não mostra vigor e não tem foco, ela por sua vez diz que algumas pessoas a intimidam por serem talentosas e por isso ela freia. Uma série de questões foram levantadas sobre o curso é uma frase que me chamou atenção dita pela Cleice foi "para acionar algo no outro preciso primeiro aprender acionar em mim", tudo isso se referindo a Luana.
Wlad concorda que Luana não tem vigor em cena e que não consegue diferenciar o corpo dela fora e dentro de cena, sempre é o mesmo.
A cena do Ícaro gerou controvérsias, teatro ou dança? Algumas pessoas brincaram dizendo que se fosse em uma sala de dança as pessoas também estranhariam e falariam que não era dança e sim teatro. A cena teve um bailar, não tinha texto, mas o teatro também pode ser assim " energize seu corpo para colorir a cena" uma fala de Wlad lembrada por Tais,. Ícaro disse que passou por cima dessa ideia de teatro ou dança, ele apenas abstraiu os movimentos e fez a colagem em cima de uma música, algumas pessoas não entenderam, mas essa foi a proposta dele, cada um fizesse a sua própria versão do que entendeu sobre o trabalho.
Taís teve seu trabalho questionado por ser sempre infantil em seus trabalhos, ela poderia ter ousado mais, expandido mais. Ela explicou que a criança era a criatura dela e por isso a infantilidade em sua cena, e que usou o que ela tinha, fez a colagem em cima dos seus elementos de trabalhos e que jamais colocaria algo que não tivesse em mãos.
Taynah foi alertada por Wlad que as ideias que tem são boas mas a atuação é péssima e que ela tem que qualificar o trabalho, Ana e Ícaro lembraram que Thayna traz desde muito tempo a insegurança para a cena (eles a conhecem a muito tempo e já fizeram teatro juntos antes) e o mesmo corpo curvado que também foi lembrado por Kauan que a dirigiu nos primeiros trabalhos da disciplina.

na segunda parte da aula Wlad pediu que criacemos um texto resumindo nossa opinião sobre ela, a disciplina e a turma ( nos incluindo nela)

Esses foram meus textos:
A professora: Antes de conhecer a metodologia de ensino da Wlad, confesso que tinha medo de ter que ficar pelado, ela tem essa fama de fazer os alunos/interpretes com quem trabalha tirarem as roupas ( não é nada disso). Wlad as vezes é cruel nas suas palavras, pelo menos foi comigo, mas o que ela me disse fez despertar em mim a vontade de crescer mais ainda teatralmente, a forma como ela instiga as pessoas(atores) a saírem da sua zona de conforto e colocarem a sua cara a tapa e sensacional, não acrescentaria nem diminuiria nada em sua forma de trabalhar

A disciplina: Trajetórias do ser me deixa com uma bagagem nova, as pessoas do curso foram se conhecendo através da disciplina. Muitas histórias e talentos múltiplos, espero ter absorvido um pouco de cada um, espero não, sei que absorvi pois senti uma mudança considerável na minha forma de ver e pensar sobre as pessoas e as diferenças que cada uma traz em sua bagagem primeira, tudo muito importante para a formação de um futuro formador de opinião.

Turma: Não sei como posso falar da turma e me encaixar nela? Só sei que já me sinto inserido mesmo achando que uns ainda não me toleram. Para falar a verdade me sinto exposto demais e tenho medo de quem muito me percebe, me deixam assustado e com a sensação de que não estão gostando do que estão conhecendo.




Durante os três dias de apresentações também tínhamos plateia, vejam o que acontecia no intervalo de uma cena para a outra:
















A disciplina acabou, mas pretendo continuar o diário, prática perdida por mim a muito tempo e já que recuperei agora pretendo não mais parar, agora tenho algo que vai me servir como base para iniciar trabalhos futuros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário