Pesquisar este blog

15 de junho de 09, 15ª aula (terceiro dia de apresentações)

A primeira a apresentar foi a Anne, ela trouxe a mesma alma capturada do Carlos, mas tinha uma visão diferente, o cenário lembrava um bar, uma "riponga" falando das "neuras" e de como ela era drogada quando o sonho ainda não havia acabado.



A cena era boa, mas o cometário no fim todos concordaram que ela estendeu mais que o necessário e acabou sendo repetitivo, mas eu gostei.
Abaixo alguns fragmentos em vídeos da cena da Anne :

video

video

video


Antes da aula Daisy veio falar comigo, para pedir apoio durante a sua cena, ficaria no som, ela usaria uma música e faria uma dança indígena ( não sei bem se era isso) ela estava toda vestida de índia com penas coloridas por todo corpo, me disse que na hora em que ela abrisse os braços era para eu pausar a música, no meio de sua dança Daisy abre os braços e então eu paro a música como o combinado, mas Daisy continua dançando, achei estranho e depois que ela termina descubro que pausei a música na hora errada e fiz Daisy perder mais de cinco minutos de sua cena, ela disse que não continuou a dançar sem a música por achar que não tinha a ver e cortou a cena.
Na segunda parte da aula, os cometarios, uns afirmaram que era para ela ter parada e avisado afinal estamos na escola e podemos fazer isso. Wlad comentou da forma que Daisy conta historias e que existem técnicas para isso e que Daisy não a domina, mandou Daisy ir estudar teatro de animação.

Alyne nos apresentou um caçador de dinossauros, seu figurino masculino, o cabelo penteado para traz, tudo ajudou para a cena da Alyne ser da forma que foi, Linda. A musica que Alyne trouxe foi tocada para todos ouvirem enquanto ela "escutava" em fones grandes, uma sacada de mestre. Ela perdeu a voz durante a cena, falava baixinho em alguns momentos, mas encerrou sua apresentação dançando a coreografia lindamente


A Crissie apresentou uma cena sem falas, ela inicia com uma roupa de bailarina e com uma garrafa de cachaça nas mãos, fez um murinho com o tatâme, onde ela trocava de roupas, isso várias e demoradas vezes, mas foi um trabalho que surpreendeu a todos, Crissie estava diferente em cena, concerteza uma evolução e tanto.




Dayene, ela começou com mulher que pensa que o marido timha morrido em um acidente de carro ( história do Kauan), com um elemento novo, uma mascara que estava no rosto dela desde o começo da aula, achei até estranho, Dayene continua sua cena e a troca de personagem acontece da mesma forma que a do Allison, atraz dos panos, cortinas, panadas. quando ela volta fiquei até assustado Dayene traz um outro corpo um conjunto de elementos bem marcados, e uma maquiagem no rosto, por isso a mascara desde o começo da aula, não queria mostra a maquiagem. Ela aparece soltando uns gritos, dando umas risadas diabólicas, achei que ela ia dizer : Eu sou o Enoque BUUUUU. Devido ao nosso último trabalho, onde eu a dirigi, mas acabou dizendo que era a matinta e fiquei mais aliviado.

No fim descobrimos que Dayene não tinha criado aquele personagem para a disciplina, ela já tinha o personagem a mais de quatro anos, mas achei valido pelo menos sabemos agora que ela consegue criar algo que possa surpreender e que as dificuldades delas já não são desculpas para nada.



Ivanilde
A visão de um cenografo para a cena pode fazê-la crescer absurdamente, Ivanilde entra com um chapéu encostado na barriga símbolo para um gravidez e depois o usa para dar vida a uma mulher sedutora, as cenas da Ivanilde tem sempre algo novo a iluminação sempre e diferente, pois todos acabam usando a mesmo foco de luz que já está ali pronto para ser usado, Ivanilde traz sua própria luz

Taynah entra com um vestido colorido oferecendo um cigarro para um personagem que não aparece, tem um troca de personagem que acontece no escuro, Thayna nos mostra um pintor no momento de sua criação. Alguns elementos cênicos são esquecidos em cena e outros nem são tocados, estão lá sem um propósito.


Ícaro nos pede para mudar a posição e todos caminham para um outro canto da sala, ele mostra uma cena que mais parece dança do que teatro, sua cena tens um sons de Navios como trilha musical e ele segue esses sons abrindo e fechando a boca, em um único momento vi elementos que ele havia mostrado em sala, o felino aparece em um momento e some rapidamente. Um foco de luz e a performance de Ícaro, era essa a minha visão da cena que por sinal era muito boa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário